A medicina do BOM HUMOR

Emoções alteram a pressão sangüínea, a freqüência cardíaca e a quantidade de hormônios. Afinal, o que acontece com seu corpo com a mudança de humor? Equipe Planeta www.terra.com.br/revistaplaneta Sempre que brigamos com uma pessoa que é importante para nós, sentimos o sangue ferver e o coração bater mais rápido. A pressão sangüínea aumenta e o sistema imunológico tem seu funcionamento reduzido. Neste momento, a pessoa tem mais chances de sofrer um ataque cardiorrespiratório. Ao contrário da raiva, a paixão e o carinho fazem com que o corpo relaxe, além de fortalecer o sistema nervoso e aliviar o estresse. O sentimento de ser amado também contribui para a recuperação do organismo e aumenta a taxa de hormônios antienvelhecedores. Veja, a seguir, como os sentimentos agem sobre seu corpo. PAIXÃO Cientistas da Universidade de Pavia, na Itália, descobriram que apaixonar-se eleva os níveis do fator de crescimento nervoso (NGF, na sigla em inglês). Essa substância, que atua como um hormônio, ajuda a restaurar o sistema nervoso e melhora a memória. Ela também está presente nos estados de paixão intensa e de felicidade, que traz um efeito calmante à mente e ao corpo. Infelizmente, os níveis de NGF decrescem após um ano, fazendo com que as distorções de avaliação criadas pela paixão cedam lugar à realidade. ESTRESSE Uma equipe de pesquisadores do University College de Londres, na Inglaterra, anunciou recentemente que o estresse eleva os níveis de colesterol, aumentando o risco de doenças. É mais um reforço a um quadro preocupante. De acordo com Robert Sapolsky, professor de ciências biológicas da Universidade de Stanford (EUA) e especialista em estresse, níveis altos constantes de cortisol, hormônio relacionado à resposta do estresse, enfraquecem a memória e a precisão, debilitam o sistema imunológico, causam cansaço e depressão. O estresse que dura anos faz os níveis de glicose e de ácidos graxos no sangue subirem, aumentando o risco de problemas cardiovasculares e de diabete. RISO Cientistas da Universidade da Califórnia (EUA) constataram que rir relaxa os músculos tensos, reduz a ação de hormônios causadores de estresse, abaixa a pressão sangüínea e aumenta a absorção de oxigênio no sangue. Cardiologistas do Centro Médico da Universidade de Maryland descobriram que a risada pode reduzir o risco de ataque cardíaco ao conter o estresse. Como pode movimentar 400 músculos, uma boa risada também serve para queimar calorias. Alguns estudiosos estimam que rir 100 vezes equivale a dez minutos malhando na esteira ou a 15 na bicicleta. RAIVA Deixar transparecer ou reprimir a raiva prejudica a saúde. Pesquisa feita em Michigan (EUA) comprovou que mulheres que suprimem a raiva têm o dobro de chance de morrer de ataque cardíaco, câncer ou derrame. A explosão de raiva dura só alguns minutos, mas causa grande impacto no nível de adrenalina, na pressão sangüínea e nos batimentos do coração, aumentando o risco de ataque cardíaco e de derrame. Formas sutis de demonstrar a raiva, como irritabilidade, impaciência e nervosismo, também fazem mal à saúde, ao debilitar o sistema imunológico e aumentar os riscos de infecção. LÁGRIMAS Chorar faz bem à saúde, pois alivia a tensão. Toda vez que choramos expelimos as emoções negativas (substâncias químicas) do nosso organismo, melhorando a nossa saúde. Ao menos é o que assegura William Frey, um bioquímico norte-americano. Ele comparou as lágrimas das mulheres que choravam por motivos emocionais com as das que choravam enquanto descascavam cebola e constatou que as primeiras tiveram ganhos de saúde com isso. Exibindo altos níveis de hormônios e neurotransmissores associados ao estresse, as lágrimas delas ajudaram a baixar a pressão sangüínea e a pulsação, além de facilitar a emissão de padrões de ondas cerebrais mais sincronizadas. Com isso, Frey deduziu que o objetivo do choro emocional é eliminar substâncias químicas relacionadas ao estresse. Se isso não ocorre, a pessoa continua tensa – o que abre as portas para o enfraquecimento imunológico e para falhas da memória, além de problemas digestivos. CIÚME De todas as emoções humanas, o ciúme é um dos sentimentos mais fortes e corrosivos – e o mais difícil de se controlar. Enquanto os homens se tornam ciumentos quando suspeitam de competição sexual, as mulheres sentem ciúme quando suspeitam de traição emocional. “Ciúme é uma emoção complexa que mistura medo, estresse e raiva”, diz a médica inglesa Jane Flemming. “Uma pessoa, no ápice do ciúme, terá aumento da pressão sangüínea, dos batimentos cardíacos e dos níveis de adrenalina e da ansiedade. Além disso, ainda haverá o enfraquecimento do sistema imunológico e a maior possibilidade de insônia.” CARÍCIAS Hyla Cass, professora de psiquiatria da Universidade da Califórnia (EUA), afirma que casais enamorados têm vontade de se tocar e trocar carícias graças à ação de um hormônio, a oxitocina. Por sua vez, as carícias estimulam a liberação de deidroepiandrosterona (DHEA, na abreviatura em inglês), um hormônio que ativa a restauração celular no organismo. As mesmas características foram observadas em outras formas de toque, como massagem. O médico Mehmet Ox, do Hospital Presbiteriano de Columbia (EUA), tem aplicado massagens regularmente em pacientes submetidos a cirurgias de coração aberto e transplantes cardíacos, baseado em estatísticas que mostram que esse tratamento tem ajudado a reduzir as complicações pós-operatórias e a encurtar o tempo de recuperação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.