Unicamp MC 906 A Inteligência Artificial Ciência Cognitiva HIPNOSE

Unicamp
MC 906 A
Inteligência Artificial
Ciência Cognitiva
HIPNOSE
Carlos Romeu Tibério – RA 008284
Leandro Rodrigues Magalhães de Marco – RA 009089
Silvia Petean – RA 840999
Campinas, junho de 2004
OBJETIVO
Pretendemos aqui expor conceitos fundamentais sobre hipnose, um assunto
aboradado em ciência cognitiva.
Entendemos que nosso modelo de inteligência somos nós mesmos (homo
sapiens), então buscamos entender processos de pensamento/ação dos seres humanos,
como forma de buscar modelos, conceitos implantáveis para embutir inteligência em
programas.
Os conceitos aqui tratados foram expostos de forma e linguajar bem básicos
(direcionado para o público que não é profissional de qualquer área ligada à prática de
hipnose)
ORIGENS
Embora transes e várias formas de meditação façam parte de diferentes culturas
desde seus primórdios, um estudo científico do que podemos chamar hipnose só se deu
no final do século XVIII.
O paida hipnose moderna se chama Franz Mesmer, um médico austríaco.
Mesmer acreditava que o hipnotismo era uma força mística que fluía do
hipnotizador ao hipnotizado (que chamou de “magnetismo animal”).
A hipótese de Mesmer que o poder que está por trás da hinose vem do
hipnotizador, e que , de alguma forma, é infringido ao sujeito, prevaleceu por certo
tempo. Este elemento mágico de seua teoria, embora tenha tido crédito inicialmente, foi
logo depois descartado
Por homenagem a Mesmer , o termo hipnose fico conhecido como Mesmerismo1.
INTRODUÇÃO

O que há de verdade sobre as idéias pre-concebidas sobre hipnose? É um método
que permite o controle sobre a vontade própria das outras pessoas? Permite implante de
memórias falsas? Torna os hipnotizados capazes de feitos sobrenaturais?
Estas crenças populares têm alguma semelhança com as práticas de hipnose, mas
a concepção atual do processo difere delas em vários pontos. Os que são sujeitos a traness
hipnóticos não são escravos de seus “mestres”; têm vontade própria. E não estão num
estado meio sonolento – de fato, estão num estado hiper-atento.
O entendimento sobre o processo avançou no último século, mas ainda guarda
seus mistérios.
Este trabalho vai explicar as teorias populares de hipnose e explorar formas que
os hipnotistas usam para praticar a sua “arte”.
O QUE É HIPNOSE
1 ‘Hinotizar’ até hoje convive com seu sinônimo ‘mesmerizar’.
A ciência ainda não tem uma explicação completa de como se dá o processo. Esta
é só mais uma peça no grande quebra-cabeça que é explicação de como funciona a mente
humana. Assim sendo, é bom nos acostumarmos com o fato de que algum mistério
sempre reste, pois dificilmente uma explicação definitiva será encontrada…
Mas os profissionais da psiquiatria/psicanálise entendem suas principais
características e têm modelos de seu funcionamento.
Definem-na como um estado de transe, caracterizado por extrema sugestibilidade,
relaxamento, e imaginação elevada.
Não é como o sono, pois o sujeito está alerta o tempo todo; pode ser comparado
ao estado de sonho acordado, ou ao estado de “se perder” vendo um filme ou lendo um
livro. Fica-se perfeitamente consciente, mas filtram-se os estímulos próximos externos,
focando-se intensamente no objeto pensado, com a exclusão quase total de qualwuer
outro pensamento.
O objeto de imaginação, como filmes, livros, ou sonhos acordados, pode paracer
real a ponto de causar emoções (eventos pensados podem causar emoções reais, como
medo, raiva, alegria, tristeza, surpresa). Alguns pesquisadores clssificam tais tanses com
forams de auto-hipnose. Milton Erickson, um aclamado hipnotisa do século XX, sustenta
que as pessoas se auto-nipnotizam diariamente.Mas a maioria dos psiquiatras focam-se
no estado de transe causado por exercícios intencionais de relaxamenteo e foco. Esta
hipnose profunda é normalmente comparada com oestado mental relaxado entre o sono e
o estado desperto.
Definição da Associação americada de Psicologia, Divisão de Hipnose Psicológica, 1993:
“Hipnose é um procedimento durante o qual um profissional de saúde ou pesquisador
sugere que um cliente, paciente, ou um sujeito experimente mudanças de sensações,
percepções, pensamentos e comportamentos. O contexto hipnótico é geralmente
estabelecido por um procedimento de indução. Embora haja muitas induções
hipnóticas diferentes, a maioria inclui sugestões de relaxamento, calma e bem-estar.
Instruções para pensar sobre experiências agradáveis são também comumente
incluídas em induções hipnóticas.
As pessoas respondem diferentemente à hipnose. Algumas descrevem sua experiência
como um estado alterado de consciênica, outras como um estado de atenção focada
onde se sentem muito calmos e relaxados.
Independente de como e de que grau com qe respondem, a amioria descreve a
experiência como agradável.
Algumas pessoas respondem muito bem a sugestões hipnóticas, outras menos.
A habilidade de uma pessoa em responder a sugestões hipnóticas pode ser inibida por
medos e desconfianças derivadas de alguns conceitos errados. (…) [possível controle
do comportamento do hipnotizado pelo hipnotizador]. Hipnotizados geralmente
permanecem conscientes de quem são, onde estão e, a menos que a amnési tenha sido
sugerida, lembram-se do que se passou durante a hipnose. A hipnose facilita que as
pessoas experimentem sugestões, mas não as forá a ter estas experiências2.”
2 Executive Committee of the American Psychological Association Division of Psychological Hypnosis
[1993, Fall]. Psychological Hypnosis: A Bulletin of Division 30, 2, p. 7
O PROCESSO CONVENCIONAL
Na hipnose convencional, o hipnotizado vê as sugestões do hipnotizador comosua
próprias, e como se fossem realidade. Se lhe é sugerido que a língua tem 2 vezes o
tamanho normal, essle terá dificuldade para falar. Se lhe foi sugerido que stá tomando um
mikshake, vai sentir o gosto e o geladinho na boca e na garganta. Se lhe [e sugerido
medo, pode suar de pânico. Mas o tempo todo o hipnotizado está consciente que é tudo
imaginário. É como brincar de faz-de-conta (como as crianças), num nível intenso.
Neste estado mental as pessoas se sentem desinibidas e relaxadas.
Presumivelmente porque descartaram as dúvidas e preocupações que põem suas acões em
cheque. De novo dá para fazer analogia com assistir um filme: você não se preocupa com
trabalho, família, contas a pagar, … quando assiste.Você só pensa no que está na tela.
Neste estado você está altametne sugestonável, isot é, se lhe é sugerido fazer algo
(pelo hipnotizador), você acolhe a idéia totalmente. (por isto o estado hpnótico costuma
seer tão divertido:pesoas normalmente discretas podem passar a fazer besteiras,
destramelar a falar, cantar, …, sem medo de embaraços. O senso de moralidade e
segurança ficam de botuca durante a experiência, entretanto. Um hipnotista não pode
obrigá-lo a fazer o que você não quer.
O QUE ESTÁ POR TRÁS DO PROCESSO
A escola de pensamento sobre hipnose predominante advoga que é uma forma de
acessar a mente subconsiente diretamente (normalmente se está atento somente ao
pensamento consciente, enquanto a mente subconsciente faz todo o “pensamento de
fundo”, acessando as informações que lhe possibilitam seguir com o pensamento
consciente).
Seu subconsciente também se encarrega do que você faz automaticamente
(respirar, processar informações que o corpo recebe, por exemplo).
O subconsciente faz a maior parte do processo de pensar e decidir muitas coisas.
Quando se está acordado, a mente consciente avalia todos estes pensamentos, decide
tansformar em ação certas decisões, processa novas e transmite para a mente
subconsciente. No sono, a mente subconsciente se desliga, e a subconsciente reina
soberana.
Profissionais da área teorizam que os exercícios de foco e relaxamento da hipnose
trabalham para acalmar e subjugar mente subconsciente, de forma a tornar seu papel
menos ativo no processo de pensamento. Neste estado ha consciência, mas a mente
consciente fica por trás da mente subconsciente. Isto permite ao hipnotizador e ao
hipnotizado trabalhar diretamente como subconsciente. É como se o processo acessasse
diretamente um painel de controde do cérebro.
CONSCIENTE E SUBCONSCIENTE
A idéia da hipnose colocar a mente consciente de escanteio e do hipnotizador
poder conectar a mente subconsciente diretamente ganhou muita aceitação no meio
psiquiátrico, especialmetne porque explica a maioria das características do estado
hipnótico bem.
Como, por exemplo, no caso de inibição: a mente consciente é que põe os limites,
enquanto o subconsciente é o centro de imaginação e impulso. Se essta segunda está
“livre”, os filtros que da promeira não se aplicam, e a pessoa fica mais solta e criativa.
Também explica a reação automática a impulsos e sugestões:
Os hipnotizados são capazes de fazer as coisas mais bizarras, de acordo com esta
teoria, porque sua mente consciente não está filtrando e a informação que lhe vem. Parece
que a sugestão do hipnotizador vem diretamente do subconsciente, em vez de vir de outra
pessoa. Reage-se automaticamente a estes impulsos e sugestões, como se faria aos seus
próprios pensamentos. É claro, a mente subconsciente tem uma consciência, instinto de
sobrevivência e idéias próprias, então há várias coisas com a qual não vai concordar.
O subconsciente regula suas sensações corporais (palato, tato, visão) e os
sentimentos (emoções). Quando a porta de acesso é aberta, e o hipnotizador pode falas
diretamente ao subconsciente, ele pode engatilhar todos estes sentimentos/sensações, de
forma a você poder sentir o gosto do milkshake, sentir contentamento e satisfação, e um
outro grande número de sensações.
Além disto, o subconsciente é o armazém de todas as suas memórias. Sob
hipnose, pode-se acessar eventos completamente esquecidos. Há vezes em que o
psicanalista usa hipnose para trazer à tona memórias relacionadas a um problema pessoal,
de forma a auxiliar na resolução deste.
Também pelo mesmo mecanismo, uma vez que a mente está num estado de tal
forma sugestionável, pode-se criar falsas memórias! (por isto os psicanalistas têm que ser
muito cuidadoso na exploraçõa do passado de pacientes).
As basese desta teoria psicológica da hipnose estão calcadas em sua maioria sobre
raciocínio lógico, mas há alguma evidência psicológica que a suporta.
TÉCNICAS
Os métodos utilizados pelos hipnotizadores variam. Entretanto todos eles requerem
alguns pré-requisitos básicos:
– A pessoa precisa querer ser hipnotizada.
– A pessoa precisa acreditar que pode ser hipnotizada.
– A pessoa precisa se sentir confortável e relaxada.
Se estes requisitos são cumpridos, o hipnotizador pode levar a pessoa ao transe
hipnótico, usando variados métodos. As técnicas mais comuns são:
– Indução por olhar fixo
Este é o método visto freqüentemente em filmes, onde o hipnotizador
balança um relógio de bolso em frente da pessoa.
A idéia básica deste método é fazer com que a pessoa foque sua atenção em
um objeto muito intensamente, de maneira a se desligar de qualquer outro
estímulo. Enquanto a pessoa foca a atenção no objeto, o hipnotizador fala-lhe em baixo
tom, levando-a a relaxar. Esta técnica era muito popular nos primórdios da hipnose, mas
não é muito utilizada atualmente porque não funciona em um grande percentual da
população.
– Rápido
A idéia deste método é sobrecarregar a mente com comandos repentinos e
firmes.
Se os comandos forem fortes e o hipnotizador estiver suficientemente
convencido, a pessoa perderá o controle da consciência. Este método funciona
bem para hipnose em público, porque a presença de uma audiência, coloca a
pessoa que será hipnotizada em uma situação limite tornando-a muito mais
suscetível aos comandos do hipnotizador.
– Relaxamento progressivo
Este é o método mais utilizado pelos psicanalistas.
Falando à pessoa em voz baixa e calma, o hipnotizador gradualmente traz o
paciente a um completo relaxamento e atenção, facilitando a hipnose. Autohipnose
e fitas de meditação utilizam este método.
– Perda de equilíbrio
Este método cria uma perda de equilíbrio com agitações rítmicas e
vagarosas.
Pais colocam seus bebês para dormir utilizando este método milenar.
Antes do hipnotizadores colocarem a pessoa em transe total eles geralmente
testam o desejo e capacidade destes serem hipnotizados. O típico método de teste é fazer
várias sugestões simples como “Relaxe seus braços completamente” e passar para
sugestões que pedem para a pessoa distorcer pensamentos normais ou não ter descrença,
como por exemplo “Faça de conta que você não tem peso”..
DIVERSÃO OU PROFISSÃO
Em shows de hipnose que ocorrem em Las Vegas (USA), as técnicas de hipnose são
utilizadas para fins de entretenimento. É uma experiência incrível assistir alguém
hipnotizando pessoas comuns. O poder da sugestão, imaginação e a atenuação da inibição
fazem um fantástico show.
Mas estas demonstrações são uma parte mínima de tudo o que a hipnose pode fazer (as
sugestões nestes casos são intencionalmente banais para assegurar que ninguém irá se
machucar). O hipnotizador usa seu acesso ao subconsciente apenas para brincar com o
hipnotizado. Em casos mais sérios, este acesso é usado para produzir mudanças na
pessoa.
O exemplo mais difundido da mudança de comportamento através de hipnose é o
tratamento de controle de hábitos. Para este fim, o hipnotizador foca no hábito que está
arraigado no subconsciente (fumar, por exemplo). Com o acesso ao “painel de controle”
da mente, o hipnotizador pode ser capaz reprogramar o subconsciente para reverter o
comportamento. Alguns hipnotizadores fazem isto conectando algo negativo com o mau
hábito (um exemplo é sugerir que fumar causa náusea e se isto é efetivamente
programado, a pessoa começará a passar mal quando pensar em fumar). Uma outra
alternativa é construir um desejo de poder, sugerindo ao subconsciente que você não
precisa de cigarros e não os quer.
Controle de hábito é comumente praticado em massa em cursos ou com fitas ou CDs.
Uma vez que o tratamento não é especificamente voltado para a pessoa e é rápido, estes
programas não são freqüentemente efetivos. Mesmo se o tratamento tem resultados
positivos a curto prazo, há uma grande chance de recaída. Sessões de hipnose diretas e
individuais tendem a ter melhores resultados.
FISIOLOGIA DA HIPNOSE
Numerosos estudos compararam “sinais corporais”de pessoas hipnotizadas com
os de pessoas não hipnotizadas. Em sua maioria, há significantes mudanças físicas
associadas com o estado de transe hipnótico.
As batidas do coração e a respiração diminuem seus ritmos, mas isto é devido ao
relaxamento envolvido no processo, não ä hipnose propriamente dita.
Entretanto parece haver mudanças reais na atividade do cérebro. A mais notável
destas vem da observação de eletreencefalogramas (EEGs), medidas da atividade elétrica
cerebral. As pesquisas em EEG demonstram que o cérebro produz diferentes ondas
cerebrais (ritmos de ovltagem elétrica dependentes ddo estado mental). Sono profundo
tem leituras diferentes do estado de sono, que é diferenet do estado acordade, que é
diferente do estado relaxado.
Estudos mostram que pessoas hipnotizadas são levadas para o estado de maior
freqüência das ondas cerebrais, associadas com o estado completamnete desperto. As
funções das ondas cerebrais não são um indicador definitivo de como a mente opera, mas
seu padrão casa com a hipótese que a mente consciente se “retira” durante a hipnose e a
subconsciente toma um papel mais ativo.
Pesquisadore também estudaram padrões do córtex cerebral que ocorrem durante
a hipnose. Nestes estudos, pessoas hipnotizadas mostraram redução da atividade no lado
direito do córtex cerebral, e aumento no lado direito (neurologistas acreditam que
ohemisfério direito do córtex centraliza o controle lógico do cérebro, operando em
dedução, razão e convenção; o hemisfério direito, contrastando, controla a imaginação e
criatividade). Uma diminuição na atividade do hemisfério direito bate com a hipótese
que a hipnose subjuga a influência inibidora da mente. Concomitantemente, um aumento
na atividade do lado direito do cérebro apóia a idéia de uqe a mente subconsciente,
impulsiva e criativa, toma o controle. Esta não é uuma evidência conclusiva, mas dá
crédito a que a hipnose libere a mente subconsciente
Nota: como suprote adicional, vale lembrar que milhões de pessoas praticam
hipnose regularmente, e milhões se submetem a ela, afirmando que o processo funciona
com eles.
CURA PSÍQUICA/PSIQUIÁTRICA
(Vimos já que a hipnose pode ser usada para tirara maus hábitos)
Uma aplicação relacionada coma hipnose é a hipnoterapia psiquiátrica. Ela usa
sessões de hipnose para trabalhar com problemas pessoais profundos e intrincados. A
trapia tenta quebrar padrões negativos de ocmportamento, com “programas massivos de
controle de hábitos”. Pode ser particularmetne efetiva no controle de fobias, medos sem
fundamento de certos objetos e situações3. Outra forma de atuação da hipnoterapia e
trazer ao nível consciente problemas psiquiátricos de fundo. Acesso a medos, memórias e
emoções reprimidas pode ajudar a esclarecerquestões difíceis e trazer soluções para
problemas crônicos.
HIPNOSE FORENSE
A hipnose pode resgatas memórias dormentes que auxiliem a soluções de casos
legais. Nesta prática, o hipnotizador acessa memórias profundas e reprimidas de um
crime passado, que possam ajudar a identificação de criminosos ou de detalhes do crime.
É uma aplicação controversa da hipnose, uma vez que hipnose também permite
implantação de falsas memórias…
HIPNOTERAPIA MÉDICA
Outra aplicação controversa da hipnose.
Médicos e líderes espirituais suportam a idéia de que a sugestãohipnótica pode
aliviar dores e curar doenças em alguns pacientes. A idéia que suporta esta hipótese é de
que mente e corpo são intrincadamente interconectados. Ao receber a sugestão, o
subconsciente deve fazer acontecer a mudança sugerida.
Há vários casos que ilustram esta idéia. Usando somente indução hipnótica,
muitas mulheres deram a luz com dores/desconfortos mínimos. Vários pacientes de
câncer tratados com hipnose juram que ela ajuda a administrar a dor da quimioterapia;
alguns dão o crédito de sua recuperação à hipnoterapia.
O sucesso da hipnoterapia parece ser inegável; entretanto alguns médicos
atribuem a responsabilidade dos resultados a outros fatores.
3 Só por curiosidade, vamos citar um fato: Yung estava trabalhando com um paciente (europeu) que tinha
repetidamente um sonho em que ele era morto com um tiro numa escadaria de certo lugar em Paris. Ele às
vezes tinha (por necessidades profissionais) que ir a Paris a negócios, e não ia, pois tinha um mau
pressentimento. Yung trabalhou com o paciente na eliminação da fobia e teve sucesso. O paciente
enfrentou seu medo, e foi a Paris. E aconteceu que ele foi de fato assasinado em Paris com um tiro numa
escadaria!!!
HÁ ALGO MÁGICO AÍ?
Na história recente da nipnose, houve dezenas de técnicas e explicações do
fenômeno. A única constante sobre o assunto é o fato de que algo de fato acontece, que as
pessoas sujeitas ao processo realmente entram num estado em que fica anormalmente
sugestionáveis e desinibidas.
Céticos modernos têm uma explicação sonora e convincente deste estado nãousual:
presão social e influência do hipnotista seriam suficientes para convencer as
pessoas que elas deveriam agir de certa forma. Quando se encontram atentos às
sugestões, pensam que devem estar num transe hipnótico. Propenentes desta teoria creem
que esta crença sozinha pode ser suficiente para promover mudanças consideráveis numa
pessoa.
Nesta visão, um hipnotizador não é alguém que pode sondar os recônditos
escondidos de sua mente, mas alguém com autoridade e carisma suficientes para
convencê-lo a acompanhá-lo.
Enfim, eles colocam o fenômeno da hipnose como um efeito-placebo4.
Acaba que a explicação da hipnose fica muito ligada à teoria de (qualquer forma
de) transe.
Quando uma pessoa é convencida de que uma mudança foi feita em seu
subconsciente, ela registra isto como um fato. E como qualqure fato, esta informação se
enraíza na mente subconsciente. Então, mesmo que o estado hipnórtico seja apenas uma
ficção da imaginação da pessoa, as sugestões hipnóticas ainda podem mexer com suas
crenças mais profundas – e o resultado é o mesmo!
4Efeito produzido pela crença de que fazer algo vai produzir resulatdos esperados. Advoga-se que uma
vontade forte é capaz de porduzir/modificar/influenciar estados físicos, como dor e doenças. Numerosos
estudos já mostraram que administração de pílulas com açucar em pacientes já provocou que gissem
diferentemente, apenas porque achavam que deviam.
PEQUENO GLOSSÁRIO
Estado Alterado de Consciência
Termo usado por alguns cientistas – e criticado por outros, que não concordam com o
termo ‘estado’ – que denota uma condição diferente do estado disperto (acordado), do
sono, ou de estados meditativos.
(se bem que alguns estados meditativos também podem ser interpretados como estados
alterados de consciência)
Hipnotizabilidade
Capacidade de um indivíduo ser hipnotizado. Medida em uma escala continua, baseada
em testes que classificam as pessoas quanto a sua responsividade a sugestões.
Muitas aplicações clínicas de hipnose não requerem um alto grau de hipnotizabilidade
dos pacientes
Escalas de Hipnotizabilidade
Medidas baseadas na responsividade a sugesstões baseadas na leitura de scripts-padrão,
com diferentes níveis de dificuldade; pode-se fazer um paralelo com testes de medida
de inteligência.
Sugestibilidade
Habilidade de responder a sugestões sem prévia indução hipnótica. Relacionada à
capacidade de imaginação (e não à fraca força de vontade)
Sugestão
Indicações verbais ou não-verbais para agira ou pensar da forma que o hipnotizador
indica, de forma automática, involuntária ou sem esforço.
FONTES DE PESQUISA
Obs: a pesquisa em livros foi prejudicada pela greve na universidade, pois bibliotecas
onde gostaríamos de pegar livros estavam fechadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.